Valdemar chama Bolsonaro e filhos de 'vencedores homéricos' após operação contra Carlos


© Reuters Valdemar chama Bolsonaro e filhos de ‘vencedores homéricos’ após operação contra Carlos

O presidente nacional do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto, saiu em defesa, nesta terça-feira, 30, do vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos) após o parlamentar ser alvo de operação da Polícia Federal que apura um esquema de espionagem ilegal na Agência Brasileira de Inteligência (Abin). De acordo com o líder da legenda, Carlos e os demais integrantes do clã Bolsonaro sofrem “perseguição” por serem “vencedores homéricos” na capital fluminense.

“Tudo o que está acontecendo é por conta das últimas pesquisas. Quero enfatizar que nosso projeto está mais forte do que nunca e vamos ganhar as eleições no Rio de Janeiro, porque o Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro são campeões de votos no Rio. O carioca é um povo esclarecido e está assistindo a tudo que está acontecendo em nosso País, sobretudo a perseguição à família Bolsonaro e aos nossos candidatos”, afirmou, em nota.

Valdemar Costa Neto relaciona a operação deflagrada nesta segunda, 29, contra o vereador carioca ao anúncio extraoficial da filiação dele ao PL no Rio e ao acordo para que ele assuma a presidência do partido para coordenar a campanha do deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) à prefeitura nas eleições municipais deste ano.

“Na última quarta-feira, dia 24 de janeiro, a convite da presidência do PL no Rio de Janeiro, o vereador Carlos Bolsonaro esteve na sede do partido. Na ocasião, a direção estadual do PL fez o convite formal para o vereador se filiar ao Partido Liberal e assumir a presidência do partido na cidade do Rio de Janeiro. Um dia depois do anúncio, dia 25, foi deflagrada, pela Polícia Federal, por ordem do ministro Alexandre de Moraes, a operação contra o deputado federal Alexandre Ramagem, nosso précandidato à prefeitura do Rio. Ontem, dia 29, em mais uma ação muito rápida, foi deflagrada outra operação da PF contra o vereador Carlos”, diz.

O vereador vai disputar a reeleição para a Câmara do Rio de Janeiro e acumular a função de coordenador da campanha de Ramagem, que também é alvo de investigação.

De saída do Republicanos, o filho “02” do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) vai assumir a presidência do diretório municipal do PL no Rio em março, quando abre a janela de transferência partidária. As condições de filiação do parlamentar ao partido foram seladas com Valdemar Costa Neto. Carlos está há 23 anos na Câmara Municipal – o início do primeiro mandato foi em 2001.

Como mostrou o Estadão, o PL não tem um plano B para a disputa à Prefeitura do Rio de Janeiro. O partido aguarda os desdobramentos da operação da PF contra Alexandre Ramagem para avaliar os impactos na corrida eleitoral municipal na capital fluminense. A operação representa um novo desgaste para a pré-candidatura de Ramagem, mas não tem forças para lhe tirar da corrida, avaliam líderes da legenda e até mesmo opositores.

Nesta segunda-feira, 29, Bolsonaro confirmou, em entrevista à CNN Brasil, a intenção de bancar a candidatura de Ramagem. “O Ramagem, no que depender de mim, é o nosso candidato a prefeito. Está indo muito bem. É uma pessoa competente e responsável”, disse.

Homem de confiança do clã Bolsonaro, Ramagem foi escolhido para suceder ao ex-ministro Walter Braga Netto (Casa Civil) e ao senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) na indicação do diretório carioca na disputa contra o atual prefeito Eduardo Paes (PSD), que tentará a reeleição.



Add a comment