UE faz acordo para implantar regras fiscais mais flexíveis em redução de dívidas e aumento de investimentos


© Reuters.

Por Foo Yun Chee

BRUXELAS (Reuters) – Os Estados membros da UE e os eurodeputados fecharam um acordo preliminar no sábado para flexibilizar as rigorosas regras fiscais do bloco, dando aos governos mais tempo para reduzir a dívida, bem como incentivos para aumentar os investimentos públicos em clima, política industrial e segurança.

A mais recente reformulação das regras de duas décadas conhecidas como Pacto de Estabilidade e Crescimento ocorreu depois que alguns países da UE acumularam uma dívida recorde, pois aumentaram os gastos para ajudar suas economias a se recuperarem da pandemia, e quando o bloco anunciou metas ambiciosas para o meio ambiente, a indústria e a defesa.

As novas regras estabelecem metas mínimas de redução do déficit e da dívida, mas elas são menos ambiciosas do que os números anteriores.

“Em um momento de desafios econômicos e geopolíticos significativos, as novas regras nos permitirão abordar as novas realidades atuais e dar aos Estados membros da UE clareza e previsibilidade em suas políticas fiscais para os próximos anos”, disse o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, em um comunicado.

“Essas regras melhorarão a sustentabilidade das finanças públicas e promoverão o crescimento sustentável, incentivando investimentos e reformas”, disse ele.

Comentando o acordo, a deputada Margarida Marques disse: “Com uma abordagem caso a caso e de médio prazo, juntamente com uma maior apropriação, os Estados membros estarão mais bem equipados para evitar políticas de austeridade.”

As regras revisadas permitem que os países com endividamento excessivo reduzam sua dívida, em média, em 1% ao ano se ela estiver acima de 90% do produto interno bruto (PIB), e em 0,5% ao ano, em média, se o acúmulo de dívidas estiver entre 60% e 90% do PIB.

Os países com um déficit acima de 3% do PIB devem reduzir esse déficit pela metade, para 1,5%, durante os períodos de crescimento, criando um amortecedor de segurança para os tempos difíceis que virão.

Os gastos com defesa serão levados em conta quando a Comissão avaliar o alto déficit de um país, uma consideração desencadeada pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

As novas regras dão aos países sete anos, em vez dos quatro anteriores, para reduzir a dívida e o déficit a partir de 2025.

Mas um estado membro com excesso de dívida não seria obrigado a reduzi-la para menos de 60% até o final do período de sete anos, desde que esteja em uma trajetória plausível de queda.

Os países da UE e o Parlamento Europeu precisarão endossar formalmente o acordo preliminar alcançado pelos negociadores no sábado antes que ele possa entrar em vigor no próximo ano

O acordo de sábado foi alcançado pelos negociadores do Conselho de Ministros da UE e do Parlamento Europeu. Eles precisam aprovar formalmente o acordo preliminar antes que ele possa entrar em vigor no próximo ano.

(Reportagem de Foo Yun Chee; edição de Clelia Oziel)



Add a comment