Tribunal dos EUA cancela aprovações de herbicidas à base de dicamba


© Reuters.

Por Tom Polansek

CHICAGO (Reuters) – Um tribunal dos EUA anulou as últimas aprovações do governo para determinados herbicidas agrícolas vendidos pela Bayer (ETR:), BASF e Syngenta, alimentando a incerteza entre os agricultores que pulverizam os produtos na e no algodão geneticamente modificados para resistir aos pesticidas.

Os ativistas ambientais aplaudiram o tribunal por interromper o uso dos herbicidas à base de dicamba, que danificam culturas que não toleram o produto químico.

Alguns grupos de agronegócios disseram que a decisão, se aplicada pelo governo federal, corre o risco de prejudicar financeiramente os agricultores, já que reduz opções de combate às ervas daninhas que estão desenvolvendo cada vez mais resistência a certos herbicidas.

O juiz do Tribunal Distrital dos EUA, David Bury, no Arizona, cancelou esta semana os registros da Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) de herbicidas à base de dicamba a partir de 2020, afirmando que a agência violou os procedimentos que exigiam a participação do público.

A decisão afeta o XtendiMax da Bayer, o Enginia da BASF e o Tavium da Sygnenta, herbicidas comumente usados nas fazendas dos EUA.

A soja da Bayer que resiste ao herbicida à base de dicamba é a segunda soja mais plantada nos Estados Unidos.

As empresas disseram que discordavam da decisão e que estavam aguardando orientação da EPA.

A EPA disse que estava analisando a decisão.

“A maioria dos produtores de soja e algodão já tomou decisões de compra de sementes e produtos químicos e, em alguns casos, está se preparando para plantar sua safra de 2024 nas próximas semanas”, disse a BASF.

“Essa ordem pode ameaçar os meios de subsistência dos produtores de soja e algodão que dependem da dicamba para controlar as ervas daninhas resistentes.”

A decisão impede que os agricultores pulverizem os produtos de dicamba na próxima temporada de cultivo, a menos que a EPA permita que os lotes já enviados sejam usados, disse Meredith Stevenson, advogada da equipe do Center for Food Safety.

O centro chamou a decisão de “uma vitória vital para os agricultores e o meio ambiente”.

Em junho de 2020, um tribunal de apelações dos EUA bloqueou as vendas do herbicida à base de dicamba e determinou que a EPA subestimou os riscos relacionados ao seu uso.

A EPA, sob o comando do ex-presidente Donald Trump, disse posteriormente que os agricultores poderiam usar seus suprimentos existentes antes de eventualmente reautorizar o uso novamente com novas restrições em outubro de 2020.

(Reportagem de Tom Polansek em Chicago, com reportagem adicional de Clark Mindock em Nova York)



Add a comment