Preços ao consumidor nos EUA aumentam mais do que o esperado em janeiro


© Reuters. Notas de dólar
14/11/2014
REUTERS/Gary Cameron

WASHINGTON (Reuters) – Os preços ao consumidor dos Estados Unidos aumentaram mais do que o esperado em janeiro, em meio a aumentos nos custos de moradia e assistência médica, mas a alta da inflação provavelmente não altera as expectativas de que o Federal Reserve começará a cortar as taxas de juros no primeiro semestre deste ano.

O índice de preços ao consumidor (IPC) aumentou 0,3% no mês passado, depois de ter subido 0,2% em dezembro, informou o Departamento do Trabalho na terça-feira.

As revisões anuais dos dados do IPC publicados na última sexta-feira foram mistas, mas, de modo geral, mostraram que a inflação estava em uma tendência de queda, depois de ter aumentado em 2022.

Nos 12 meses até janeiro, o IPC aumentou 3,1%. Isso se seguiu a um avanço de 3,4% até dezembro. Economistas consultados pela Reuters previram que o IPC aumentaria 0,2% no mês e 2,9% no comparativo anual. O aumento anual dos preços ao consumidor foi moderado em relação ao pico de 9,1% até junho de 2022.

O departamento atualizou os fatores sazonais, o modelo que usa para eliminar as flutuações sazonais dos dados. Novos pesos, que viram a participação da habitação aumentar e a dos carros novos e usados diminuir, foram usados para calcular os dados do IPC de janeiro.

Isso poderia explicar parcialmente as leituras mais fortes do que o esperado, que os economistas disseram ser provavelmente temporárias.

Os mercados financeiros preveem que o banco central dos EUA começará a cortar as taxas de juros em maio, embora alguns economistas estejam gravitando em torno de junho, dado o mercado de trabalho ainda apertado e a inflação de serviços persistentemente elevada.

Os formuladores de políticas afirmaram que não têm pressa em começar a reduzir os custos dos empréstimos e querem evidências convincentes de que a inflação está em uma trajetória lenta e sustentada.

Embora tenha havido um progresso significativo, os riscos permanecem, incluindo a possibilidade de novos problemas na cadeia de suprimentos devido às interrupções no transporte marítimo no Mar Vermelho e à seca no Canal do Panamá. A perspectiva para a inflação, no entanto, continua bastante favorável, já que o aumento dos aluguéis deve ser moderado este ano.

Desde março de 2022, o Fed aumentou sua taxa de juros em 525 pontos-base para a faixa atual de 5,25% a 5,50%.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o IPC subiu 0,4% no mês passado, depois de aumentar 0,3% em dezembro. Além dos aluguéis, os aumentos de preços no início do ano provavelmente também foram responsáveis pelo aumento do chamado núcleo do IPC.

O núcleo do IPC avançou 3,9% na comparação anual em janeiro, igualando o aumento de dezembro.

Embora os preços ao consumidor continuem elevados, as medidas monitoradas pelo banco central dos EUA para sua meta de inflação de 2% melhoraram consideravelmente.

O aumento do índice de preços de despesas de consumo pessoal (PCE) desacelerou para uma taxa anualizada de 1,7% no quarto trimestre, em comparação com um ritmo de 2,6% no trimestre de julho a setembro. O núcleo do índice de preços PCE aumentou a uma taxa de 2,0%, sem alterações em relação ao terceiro trimestre.

(Reportagem de Lucia Mutikani)



Add a comment