EUA pretendem realizar novos ataques contra grupos apoiados pelo Irã -Sullivan



Por Phil Stewart e Idrees Ali e Mohammed Ghobari e Timour Azhari

WASHINGTON/ADEN/BAGDÁ (Reuters) – Os Estados Unidos pretendem lançar novos ataques contra grupos apoiados pelo Irã no Oriente Médio, disse o assessor de segurança nacional da Casa Branca no domingo, depois de atingir facções alinhadas a Teerã no Iraque, na Síria e no Iêmen nos últimos dois dias.

Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha desencadearam ataques contra 36 alvos Houthi no Iêmen, um dia depois que os militares americanos atingiram grupos apoiados por Teerã no Iraque e na Síria em retaliação a um ataque mortal contra tropas americanas na Jordânia.

“Pretendemos realizar mais ataques e ações adicionais para continuar a enviar uma mensagem clara de que os Estados Unidos responderão quando nossas forças forem atacadas, quando nosso povo for morto”, disse o assessor de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, ao programa “Meet the Press” da NBC no domingo.

Os ataques são os últimos golpes em um conflito que se espalhou pelo Oriente Médio desde 7 de outubro, quando o grupo militante palestino Hamas, apoiado pelo Irã, invadiu Israel a partir da Faixa de Gaza, dando início à guerra.

Grupos apoiados por Teerã que declaram apoio aos palestinos entraram na briga em toda a região: O Hezbollah disparou contra alvos israelenses na fronteira entre Líbano e Israel, as milícias iraquianas dispararam contra as forças dos EUA no Iraque e na Síria, e os Houthis dispararam contra navios no Mar Vermelho e contra o próprio Israel.

Até agora, o Irã tem evitado qualquer papel direto no conflito, mesmo apoiando esses grupos. O Pentágono disse que não quer guerra com o Irã e não acredita que Teerã queira guerra também.

Sullivan não quis se pronunciar sobre a possibilidade de os Estados Unidos atacarem locais dentro do Irã, algo que os militares norte-americanos têm sido muito cuidadosos em evitar.

Falando ao programa “Face the Nation” da CBS momentos antes, ele disse que os ataques de sexta-feira foram “o começo, não o fim, de nossa resposta, e haverá mais medidas – algumas visíveis, outras talvez invisíveis”.

“Eu não descreveria isso como uma campanha militar sem fim”, disse ele.

Os ataques de sábado no Iêmen atingiram instalações de armazenamento de armas enterradas, sistemas de mísseis, lançadores e outros recursos que os houthis usaram para atacar a navegação do Mar Vermelho, disse o Pentágono, acrescentando que o alvo foram 13 locais.

O porta-voz militar dos Houthi, Yahya Sarea, disse que os ataques “não passarão sem uma resposta e consequências”.

Outro porta-voz Houthi, Mohammed Abdulsalam, indicou que o grupo não seria dissuadido, dizendo que a decisão do Iêmen de apoiar Gaza não seria afetada por nenhum ataque.

Os moradores descreveram que foram abalados por fortes explosões. “O prédio em que moro tremeu”, disse Fatimah, moradora de Sanaa, controlada pelos houthis, acrescentando que fazia anos que ela não sentia tais explosões em um país que sofreu anos de guerra.

Os Houthis não anunciaram nenhuma vítima.

Os ataques no Iêmen estão ocorrendo paralelamente à campanha de retaliação dos EUA pelo assassinato de três soldados americanos em um ataque de drones por militantes apoiados pelo Irã em um posto avançado na Jordânia.

SEM CONFRONTO DIRETO

Na sexta-feira, os EUA realizaram a primeira onda dessa retaliação, atacando no Iraque e na Síria mais de 85 alvos ligados ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) do Irã e às milícias apoiadas por ele, supostamente matando cerca de 40 pessoas.

Mahjoob Zweiri, diretor do Centro de Estudos do Golfo da Universidade de Qatar, não esperava uma mudança na abordagem do Irã, mesmo após os últimos ataques dos EUA.

“Eles mantêm o inimigo atrás das fronteiras, longe. Eles não estão interessados em nenhum confronto militar direto que possa levar a ataques às suas cidades ou à sua terra natal. Eles manterão esse status quo”, disse ele à Reuters.

O Ministério das Relações Exteriores do Irã disse que os últimos ataques ao Iêmen foram “uma violação flagrante da lei internacional por parte dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha”, alertando que a continuação de tais ataques era uma “ameaça preocupante à paz e à segurança internacionais”.

Andreas Krieg, professor associado do King’s College, em Londres, observou que, embora os ataques dos EUA no Iraque e na Síria tenham marcado uma escalada em termos de amplitude e quantidade de munição lançada, eles não atingiram alvos no Irã ou em iranianos.

“Os EUA se afastaram disso, porque isso teria levado a uma escalada ainda maior”, disse ele. “Acho que veremos uma resposta dessas milícias ou do Irã contra as bases dos EUA na Síria e no Iraque, mas essa resposta também será medida”, disse ele.

Os republicanos dos EUA têm pressionado o presidente Joe Biden, um democrata, a desferir um golpe direto no Irã.

MARCHA FÚNEBRE EM BAGDÁ

Embora os houthis digam que seus ataques são em solidariedade aos palestinos, os EUA e seus aliados os caracterizam como indiscriminados e uma ameaça ao comércio global.

Os EUA realizaram mais de uma dúzia de ataques contra alvos Houthi nas últimas semanas.

As principais linhas de navegação abandonaram em grande parte as rotas marítimas do Mar Vermelho em favor de rotas mais longas ao redor da África. Isso aumentou os custos, alimentando as preocupações com a inflação global e, ao mesmo tempo, negando ao Egito uma receita externa crucial proveniente do uso do Canal de Suez.

Os ataques dos EUA no Iraque foram os mais mortais dos últimos anos.

Centenas de pessoas compareceram a uma procissão fúnebre em Bagdá para homenagear 17 membros das Forças de Mobilização Popular (PMF) mortos nos ataques. A PMF é uma força de segurança do estado que contém vários grupos armados apoiados pelo Irã.

Hadi al-Ameri, um político iraquiano sênior próximo ao Irã, disse que era hora de expulsar as forças dos EUA, 2.500 das quais estão no Iraque em uma missão para ajudar a evitar o ressurgimento do Estado Islâmico. “Sua presença é pura maldade para o povo iraquiano”, disse ele.

No mês passado, o Iraque e os Estados Unidos iniciaram conversações sobre o fim da presença da coalizão liderada pelos EUA no país.

(Reportagem adicional de Andrew Mills em Doha e Tala Ramadan em Dubai, Doina Chiacu e Arshad Mohammed em Washington, Tom Perry em Beirute; Redação de Tom Perry; Edição de Hugh Lawson)



Add a comment