Elon Musk pede a tribunal do Texas que cancele depoimento em processo por difamação



(Reuters) – Elon Musk pediu a um juiz que cancele seu interrogatório em um processo que o acusa de ter espalhado um fato mentiroso em sua plataforma de mídia social X, de que um cidadão da Califórnia teria participado de uma briga de rua com um grupo extremista.

O bilionário CEO, em tribunal estadual do Texas nesta segunda-feira, classificou o ordenamento para depor como um “esforço transparente para assediá-lo” e aumentar seus custos de litígio.

Datada de outubro, a ação foi movida por Benjamin Brody, de 22 anos, que alegou que Musk alardeou falsamente no X a notícia de que Brody teria participado de uma violenta briga de rua em Oregon em nome de um grupo neonazista no mês de junho.

Brody alegou que os usuários do X o identificaram erroneamente como participante, e que Musk, cuja conta no site tem dezenas de milhões de seguidores, ampliou essa desinformação em uma postagem que dizia “Parece que alguém é um estudante universitário (que quer ingressar no governo).” Brody afirma que a referência era sobre ele.

O processo pede mais de 1 milhão de dólares em indenização pelo que Brody chamou de “conduta surpreendentemente imprudente” de Musk e disse que ele deveria ter permissão para interrogar Musk como parte do processo “para explorar conceitos de negligência e malícia”.

“Musk é a única fonte de evidência direta sobre seu estado de espírito ao fazer a declaração, e ele poderá testemunhar sobre questões que envolvem seu nível de cuidado”, argumentou Brody.

Musk negou ter feito qualquer declaração difamatória sobre Brody e pediu ao tribunal que encerre o caso. Ele argumentou que sua postagem foi formulada de forma genérica e “não fazia referência a Brody, direta ou indiretamente”.

Dois advogados que representam Musk no escritório de advocacia Quinn Emanuel Urquhart & Sullivan não responderam ao pedido de comentário.

O advogado de Brody também não respondeu a um pedido semelhante.

O litígio surge em meio a um escrutínio cada vez maior ao redor da retórica extremista na plataforma de Musk, que o CEO comprou em 2022 por 44 bilhões de dólares.

(Por Mike Scarcella)



Add a comment