Citi é atingido por nova repreensão do Fed e reveses em ordens de consentimento


© Reuters.

Por Tatiana Bautzer e Saeed Azhar e Lananh Nguyen

NOVA YORK (Reuters) – Os órgãos reguladores dos EUA solicitaram ao Citigroup mudanças urgentes na forma como mede o risco de inadimplência de seus parceiros comerciais, e os próprios auditores do banco constataram a falta de um plano para aprimorar a supervisão interna, o que pode prejudicar os planos da CEO Jane Fraser de recuperar a sorte do banco.

No final do ano passado, o Federal Reserve enviou ao Citi três avisos orientando o banco a abordar nos próximos meses a forma como mede o risco de inadimplência das contrapartes em transações de derivativos, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto.

Separadamente, a unidade de auditoria interna do Citi disse que é necessário mais trabalho em pelo menos uma instância para resolver problemas previamente levantados pelos reguladores, de acordo com um e-mail visto pela Reuters. O trabalho foi em resposta a ações de fiscalização, chamadas de ordens de consentimento, que datam de outubro de 2020.

Em dezembro, a unidade de auditoria interna constatou que alguns dos trabalhos realizados para melhorar o gerenciamento de riscos em todo o banco eram inadequados, de acordo com o e-mail. A unidade de auditoria também constatou que o Citi não cumpriu a exigência de ter procedimentos para garantir que o conselho e as instâncias superiores da administração recebam relatórios abrangentes sobre os riscos em toda a empresa, segundo o e-mail.

Outro órgão regulador do setor bancário, o Office of the Comptroller of the Currency, também realizou exames em setembro e outubro para avaliar se o Citi havia progredido tanto em relação à integridade dos dados quanto alegava, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto, solicitando anonimato para discutir informações confidenciais. O Citi foi reprovado nesses exames, o que o obrigou a fazer um trabalho adicional, disse a fonte.

Os avisos regulatórios surgem no momento em que o banco trabalha com dois pedidos de consentimento de 2020, nos quais o Fed e o OCC orientaram o banco a corrigir deficiências generalizadas e de longa data em sua gestão de riscos, governança de dados e controles internos. As ações de fiscalização se seguiram à transferência malfeita do Citi de cerca de 500 milhões de dólares para credores da empresa de cosméticos Revlon em 2020. O Citi tem milhares de funcionários concentrados em resolver esses problemas.

Os avisos do Fed e os problemas com o trabalho separado em torno das ordens de consentimento não foram relatados anteriormente. A Reuters não conseguiu determinar o impacto que essas questões tiveram sobre os esforços gerais do Citi para resolver seus problemas regulatórios.

Os novos detalhes fornecem uma visão da complexidade da tarefa que a CEO Fraser enfrenta ao realizar a maior reforma do banco em décadas para aumentar os lucros e as ações, que ficaram abaixo de seus pares. O terceiro maior credor dos EUA vem vendendo negócios e demitindo milhares de funcionários para simplificar a estrutura do banco.

Em uma declaração à Reuters, o Citi disse que atender às expectativas de seus reguladores era uma prioridade máxima, e que estava “fazendo um progresso constante na simplificação e modernização de nosso banco”

“Como qualquer esforço plurianual dessa escala, o progresso não é linear e há aprendizados importantes ao longo do caminho que estamos incorporando aos nossos esforços, inclusive nas áreas de relatórios regulatórios, infraestrutura e aprimoramento de dados”, disse o banco.

Os avisos e exames regulatórios são práticas padrão na supervisão bancária, disse uma fonte próxima ao Citi que solicitou anonimato para discutir assuntos regulatórios confidenciais.

O Fed e o OCC não quiseram comentar.

O progresso em suas questões regulatórias é crucial para o banco. Os órgãos reguladores têm autoridade, por exemplo, para limitar o crescimento do Citi e solicitar mudanças na gerência sênior ou no conselho se o banco não estiver cumprindo as ordens de consentimento em tempo hábil.

Julie Hill, professora da Faculdade de Direito da Universidade do Alabama, caracterizou a demanda por ações urgentes por parte dos órgãos reguladores e o cumprimento incompleto das autorizações prévias como problemas sérios para qualquer banco, que podem resultar em uma fiscalização mais rígida e onerosa. Hill estava falando de forma geral sobre o processo regulatório e não especificamente sobre o Citi.

NOTIFICAÇÕES DO FED

Os três avisos do Fed enviados ao Citi no final do ano passado são chamados de Matters Requiring Immediate Attention (assuntos que requerem atenção imediata). As solicitações normalmente se referem a deficiências e os bancos podem ter muitos MRIAs pendentes em um determinado momento, mas são confidenciais e raramente vêm a público.

O conteúdo dos três MRIAs foi descrito à Reuters por uma fonte com conhecimento direto dos mesmos. Eles têm prazos de seis meses a um ano, disse a fonte. Eles instruem o Citi a melhorar seus dados e sua governança em relação à forma como reserva capital para contabilizar os riscos de crédito de contraparte, disse a fonte.

Os bancos medem o grau de risco de seus negócios com derivativos para ajudar a determinar quanto capital precisam reservar para suportar possíveis perdas.

Um dos MRIAs do Citi tem um prazo de seis meses e está relacionado a dados, estabelecendo mais de uma dúzia de questões que o banco precisa corrigir, disse a fonte.

Os outros dois têm prazos de um ano. Um deles está relacionado à forma como o Citi usa proxies no cálculo do risco de crédito da contraparte quando os dados não estão disponíveis, e o outro está relacionado a falhas de governança, especificamente em relação à falta de clareza sobre quem é responsável em várias entidades legais do banco, disse a fonte.

As duas ordens de consentimento do Citi estabelecem várias questões importantes que o banco precisa resolver, com o trabalho dividido em etapas menores. Problemas com qualquer uma das etapas podem fazer com que o banco não consiga resolver a questão principal, mesmo que tenha feito progressos em outras áreas, de acordo com duas fontes familiarizadas com o assunto.

A descoberta da unidade de auditoria interna do Citi está relacionada a um “plano de ação corretiva” do banco para tratar de uma questão que aparece em ambos os termos de consentimento, exigindo que a liderança tenha uma melhor supervisão do banco, segundo o e-mail.

O e-mail de auditoria também mostra como o trabalho foi adiado. A data de vencimento original da questão era 30 de junho de 2022, mas foi revisada para 30 de setembro de 2023. Em uma coluna intitulada “status”, estava escrito “Reaberto”

Posteriormente, o Citi estabeleceu uma data-alvo de 31 de julho de 2024 para concluir a auditoria, de acordo com uma das fontes.



Add a comment