Boeing tem prejuízo de US$ 30 milhões no 4º trimestre de 2023


© Reuters. Boeing tem prejuízo de US$ 30 milhões no 4º trimestre de 2023

A fabricante norte-americana de aviões Boeing (NYSE:) teve prejuízo de US$ 30 milhões no 4º trimestre de 2023. Apesar do saldo negativo, as perdas foram menores que no mesmo período de 2022, quando registrou prejuízo de US$ 663 milhões.

O balanço financeiro da companhia foi divulgado nesta 4ª feira (31.jan.2024). Eis a íntegra (PDF, 175 kB, em inglês).

A receita da Boeing bateu US$ 22 bilhões de outubro a dezembro de 2023, um crescimento de 10% na mesma base de comparação com o ano anterior. A receita anual foi de US$ 77,79 bilhões.

No relatório divulgado nesta 4ª feira (31.jan), A Boeing não divulgou suas expectativas financeiras e operacionais para 2024.

Este foi o 1º resultado divulgado pela companhia desde o incidente registrado em 5 de janeiro, quando o tampão de uma porta de emergência de um Boeing 737 MAX 9 operado pela Alaska Airlines se desprendeu em voo.

Vídeo que circula nas redes sociais mostra o interior do avião e um buraco do lado esquerdo. Nas imagens, é possível ver o que parece ser de uma saída de emergência se soltar. A bordo estavam 171 passageiros e 6 tripulantes. Ninguém ficou ferido gravemente.

Assista ao vídeo que mostra o avião sem parte da fuselagem (1min14s):

O incidente foi registrado quando o avião estava a cerca de 16.000 pés (4,9 km) e com apenas 10 minutos de voo.

“Enquanto apresentamos nossos resultados financeiros hoje, nosso foco total está em tomar ações abrangentes para fortalecer a qualidade na Boeing” disse Dave Calhoun, presidente e CEO da Boeing, em nota nesta 4ª feira (31.jan).

“À medida que avançamos, apoiaremos nossos clientes, trabalharemos de forma transparente com nosso regulador e garantiremos a conclusão de todas as ações para conquistar a confiança de nossos stakeholders”, concluiu.

HISTÓRICO DE PROBLEMAS

O incidente no voo da Alaska Airlines é apenas o mais recente de uma série de problemas e acidentes fatais que afetaram o Boeing 737 MAX. O modelo foi lançado em 2011 pela fabricante norte-americana como uma nova geração do bem-sucedido 737, um dos mais usados pelas companhias aéreas no mundo.

O MAX veio com uma promessa de economia de 20% em combustível e maior disponibilidade de assentos. A Boeing já lançou 4 versões do modelo:

  • 737 MAX 7 – máximo de 172 passageiros
  • 737 MAX 8 – máximo de 210 passageiros
  • 737 MAX 9 – máximo de 220 passageiros
  • 737 MAX 10 – máximo de 230 passageiros

A única versão do 737 MAX que é usada por uma companhia brasileira é a 8. A Gol (BVMF:) Linhas Aéreas conta com 40 aviões do modelo em sua frota. A empresa tem encomenda de pelo menos 30 jatos MAX 10, que só devem ser entregues a partir de 2025, segundo o cronograma contratual.

A 3ª versão (MAX 8) coleciona mais questionamentos de segurança. Em 2018 e 2019, foram registrados 2 acidentes envolvendo aeronaves do modelo, que mataram ao todo 346 pessoas. Foram eles:

  • 1ª queda: registrada em outubro de 2018, na Indonésia, deixando 189 mortos;
  • 2ª queda: registrada em março de 2019, na Etiópia, matando 157 pessoas.

Por causa disso, centenas de aviões deste modelo em todo o mundo foram proibidos de voar durante mais de 1 ano e meio enquanto inspeções e investigações eram realizadas para identificar os problemas.

Em setembro de 2020, o relatório de uma investigação do Congresso dos EUA concluiu que “a pressão competitiva, as falhas de design e uma cultura de encobrimento” por parte da Boeing, além de uma regulação da FAA “fundamentalmente falha” provocaram as tragédias.

Leia mais em Poder360



Add a comment